Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PAIVAJORNALISTA

Esse blog tem uma finalidade muito importante, isto é, levar aos conhecimentos dos leitores e amigos os mais diversos assuntos relacionados com o nosso dia a dia. Crônicas, Artigos, Poemas, Poesias, Atualidades, Política entre outros.



Domingo, 20.05.12

A INQUISIÇÃO NÃO PERDOA, MATA.


A INQUISIÇÃO NÃO PERDOA, MATA.

“Estou em paz com os elementos da natureza. Não existe tempo bom ou ruim. Sou eu que escolho reagir ao que acontece ao meu redor. Hoje estou fazendo uma faxina mental, abrindo espaço para novos pensamentos positivos”. (Louise Hay).

Eu crio milagres em meu mundo, estou aberto às maravilhas do Universo. Como poderei usufruir de tanta beleza, se os ambiciosos, egoístas e trapaceiros surrupiam nossos ganhos suados, através de um amontoado de impostos criminosos, que são desvirtuados dos cofres públicos e vão se imantar nas contas bancárias dos corruptos brasileiros. Sou verdadeiro, procuro viver e me movimentar com alegria. Faço isso todos os dias, mas quando vislumbro uma multidão de esmoleres perambulando pelas ruas e avenidas da cidade, as lágrimas ensopam minhas vestes. A desigualdade social em nosso país é aviltante e sem escolho para impedir que ela cresça cada vez mais. Temos que tomar decisões judiciosas, bastante luminares para obtermos o fio da meada, para atenuar os nossos problemas no cotidiano. A violência cresce a passos largos transparecendo que a inquisição volta a reinar neste país varonil.

Falando em inquisição queríamos ressaltar, a figura de um grande homem que foi vitima da incompreensão de seus pares, referimo-nos a Giordano Bruno, condenado à fogueira pelo Tribunal da Inquisição. O filósofo e frade dominicano tornou-se o símbolo da defesa do conhecimento contra a intolerância (Falta de tolerância, qualidade de intolerante). Giordano Bruno nasceu em Nola na Itália, em 148 e faleceu em 1.600, em Roma, também na Itália. A cidadezinha de Nola fica bem próxima de Nápoles. Giordano Bruno era discípulo do filósofo Francesco Patrizi, membro da Academia Florentina, ingressou na Ordem dos Pregadores aos 17 anos de idade, e lá permanecendo por 10 anos, chegando a ser ordenado sacerdote e recebeu o grau de doutor em teologia em 1.575. Giordano Bruno concebia Deus como alma e princípio ativo do mundo.

Um castiçal de ouro refletia a cerimonial de aparente beleza. Vozes entoavam cantos na forma de mantra capaz de agradar e, ao mesmo tempo, repelir a própria divindade. Segundo Sérgio Peixoto Mendes, ele seguia pela ladeira o ritual carregando consigo a ortodoxia escolástica sob a luz de velas prestes a se apagarem. O calendário humano assinalava o ano de 1600, e a procissão seguia. O ritual bonito buscava agradar uma divindade transcendente, cobrindo a ignorância, o preconceito, o dogma e a intolerância. Os fieis eram os mesmos que outrora haviam escolhido o filho do carpinteiro para carregar suas cruzes. Em suas exaltações continuavam imponentes e pretensiosos. As recentes descobertas marítimas, Índia e América, quase nada significavam. Ressalte-se que a preocupação maior dos comandantes do cortejo não era com o novo e sim com a manutenção, a qualquer preço, da tradição. Por isso sacrificavam a individualidade criadora para conservar o poder, verdadeiros trabalhadores da inércia. O conflito era o mesmo da época do divino rabino: um passado que recusava a morrer. Acusado de heresia, Giordano Bruno abandonou a ordem indo se refugiar no norte da Itália.

Lá sua ocupação principal era o ensino. Constantemente perseguido, não suportando mais, viaja para a Suíça, onde se converteu ao calvinismo para abandoná-lo pouco tempo depois. Esteve também na França, Alemanha e Inglaterra, depois volta a Veneza pelos idos de 1592. Segundo as palavras de Giordano Bruno sobre as leituras, ele ficara fascinado por filósofos gregos, como: Parmênides, Heráclito, Lucrécio, Plotino e Demócrito, os mais antigos. Também apreciava os mais modernos, pelo “onisciente” Raimundus Lullus, o “magnânimo” Nicolau Copérnico e o “divino” Nicolau Cusano, ou Nicolau de Cusa. O progresso impõe as suas regras e as velhas desabam.

Por esse motivo os escolásticos ficaram preocupados. Ressalte-se que: “A Escolásticatem tanto um significado mais limitado, ao se referir às disciplinas ministradas nas escolas medievais – o trivio: gramática, retórica e dialética; e o quadrívio: aritmética, geometria, astronomia e música -, quanto uma conotação mais ampla, ao se reportar à linha filosófica adotada pela Igreja na Idade Média. Esta modalidade de pensamento era essencialmente cristã e procurava respostas que justificassem a fé na doutrina ensinada pelo clero, guardião das verdades espirituais”. Esta escola filosófica vigora do princípio do século IX até o final do século XVI, que representou o declínio da era medieval.

A Escolástica é o resultado de estudos mais profundos da arte dialética, a radicalização desta prática. No começo seus ensinamentos eram disseminados nas catedrais e monastérios, posteriormente eles se estenderam às Universidades. Várias transformações estavam ocorrendo, visto que com o passar do tempo às mudanças são fundamentais, o problema é que sempre existem conservadores tentando impedir as mudanças com receios da perda do poder. Diante das descobertas de Copérnico (1473-1543) a visão do mundo seria outra, onde o heliocentrismo opõe-se ao teocentrismo. Em Londres Nicolau Copérnico dedicou-se a ensinar na Universidade de Oxford onde ministrava aula sobre cosmologia (Estudo dos Cosmos). Esteve na França e em 1585 foi ridicularizado após um debate público no Colégio de Cambrai, tendo sido expulso do país. Demonstrou, mesmo utilizando um método errado, que o Sol era maior que a Terra, em diversos países em que esteve. Giordano Bruno defende a infinitude do universo, como um conjunto dinâmico que se transforma continuamente, do inferior ao superior, e vice-versa, num movimento constante, por ser tudo uma só e mesma coisa, como manifestação da vida infinita e inesgotável. Como o universo, também Deus é infinito, sendo-lhe imanente e transcendente ao mesmo tempo, sem nenhuma contradição, pois os opostos acabam por coincidir no infinito.·.

Segundo preceitua o site: Infoescola: “Para Bruno, o universo é uma coisa viva, todo ele regido por uma mesma lei, sendo Deus a mônada das mônadas (espécies de átomos orgânicos e viventes), que compõem o organismo do mundo. Deus está presente por toda parte, como poder infinito, sabedoria e amor, cabendo aos homens adorar toda essa infinitude com entusiasmo, numa unidade das crenças religiosas, além de qualquer dogma positivo”. Como os conservadores de antanho afirmavam que a Terra era o centro do Universo, não queriam que suas percepções fossem contrarias. Copérnico sofreu muito com isso, pois afirmara que a Terra girava em torno do sol e não como pensavam os conservadores. Para Bruno, o universo é uma coisa viva, todo ele regido por uma mesma lei, sendo Deus a mônada das mônadas (espécies de átomos orgânicos e viventes), que compõem o organismo do mundo.

Deus está presente por toda parte, como poder infinito, sabedoria e amor, cabendo aos homens adorar toda essa infinitude com entusiasmo, numa unidade das crenças religiosas, além de qualquer dogma positivo. A metafísica de Bruno pode ser denominada de monista, pampsiquista e para-materialista, sendo que ele concebe Deus como alma e princípio ativo do mundo - e a matéria como princípio passivo. Deus e matéria nada mais são, portanto, do que dois aspectos da mesma substância. Depois de um longo período de esquecimento, por cerca de dois séculos, Giordano Bruno foi redescoberto nos fins do século 18 e começo do século 19, através do pensamento dos românticos alemães, não sendo pequena a dose de sua filosofia nas idéias de Goethe. Já em Veneza, denunciado pelo nobre Giovanni Moncenigo, é novamente acusado de heresia e preso pelo Santo Ofício. Reconhece os seus erros e parece livrar-se da fogueira. Mas, a pedido do papa, as autoridades venezianas, depois de alguma hesitação, o entregam ao tribunal da Inquisição de Roma. Fica encarcerado durante sete anos, negando-se a abjurar suas doutrinas, das quais não se retrata. Foi queimado em 1600. Muitos estudiosos estiveram incluídos nesse rol que mostra o crescimento dos estudos da ciência e sua evolução, através dos tempos. Por isso, escolhemos o tema, a Inquisição não perdoa, mata, visto que aqueles que discordavam dos retrógrados da igreja Católica, Apostólica Romana, o destino era a cruel fogueira da inquisição.

Os peripatéticos – as indisposições de Giordano Bruno para com a filosofia de Aristóteles parecem uma vingança de Heráclito, que na opinião de Aristóteles não passava de um poeta não comprometido com a verdade, obscuro e sonhador; que passa a impressão de possuir certo grau de loucura. O termo paripatético usado contra Aristóteles tinha como pressuposto de que o filósofo tinha o hábito de ensinar caminhando. Gostava de andar compassadamente em volta do perípatos de seu Liceu, hábito que deixou para os futuros pensadores e inspirou o que viria a se chamar Escola Peripatética de Filosofia. Seguindo a mesma linha de raciocínio, Jesus pode também ser considerado peripatético.
“Os escolásticos tentam harmonizar ideais platônicos com fatores de natureza espiritual, à luz do cristianismo vigente no Ocidente”. Mesmo depois, quando Aristóteles, discípulo de Platão, é contemplado no pensamento cristão através de Tomás de Aquino, o neoplatonismo adotado pela Igreja é preservado. Assim, a escolástica será permanentemente atravessada por dois universos distintos – a fé herdada da mentalidade platônica e a razão aristotélica. Agostinho, mais tradicional, clama por um predomínio da fé, em detrimento da razão, ao passo que Tomás de Aquino acredita na independência da esfera racional no momento de buscar as respostas mais apropriadas, embora não rejeite a prioridade da fé com relação à razão. Dizem que o filósofo é esse agente destruidor das correntes que estão colocadas nas portas dos miseráveis. Seria essa a missão de um filósofo como foi citado durante as análises dessa matéria que ora repassamos para os leitores. Pense nisso!

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI- DA ACE- DA UBT- DA AVSPE- DA ALOMERCE E DA AOUVIRCE

 





















.


Autoria e outros dados (tags, etc)

por paivajornalista@blogs.sapo.pt às 13:52


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031